Ostras MarO nome iodo vem do grego iodes e significa violeta, por causa da cor do vapor visível do elemento de sua forma gasosa. Ele pertence ao grupo dos halogênios na tabela periódica.

Em sua forma sólida possui cor negra e brilhante. Seu número atômico é 53 (Z=53) e ele é representado pela letra “I”. É insolúvel em água, mas é solúvel em etanol e também em outros solventes orgânicos. Quimicamente, é o elemento mais eletropositivo dos halogênios e o menos reativo deles.

No ano de 1811, na França, o químico Bernard Courtois encontrou o iodo através da produção de nitrato de potássio para Napoleão e seus exércitos. Ele percebeu a formação de uma substância de cor violeta ao lavar cinzas de algas marinhas em ácido sulfúrico, que foi posteriormente analisada por Clement e Desormes e depois por Gay-Lussac que em 1813 o classificou como um novo elemento químico.

Presença na Natureza

O iodo não se encontra de forma livre na natureza, mas como iodatos e iodetos (compostos químicos feitos com iodo), nas rochas, em depósitos de salmora, nos alimentos e nos solos. A água do mar também contém esse elemento e alguns poucos minerais como o iodeto de cálcio e a lautarite, que podem ser encontrados nos depósitos de nitratos do Chile. Está presente como iodeto de potássio em compostos do petróleo.

Em pequenas quantidades, ele está presente também em alguns seres vivos, plantas e algas marinhas. No corpo humano, existe uma glândula, conhecida como glândula tireoide que é responsável pela produção da tiroxina, uma substância que possui iodo.

Aplicações do Iodo

A aplicação mais importante desse elemento está na medicina como desinfetante. A tintura de iodo é um exemplo disso, pois ele é um bom antisséptico. Ele também pode ser utilizado para obter vários compostos orgânicos como o iodofórmio, CHI3 e o iodeto de metila.

Quando está na forma de iodeto de potássio pode ser utilizado em fotografias e também em lâmpadas de tungstênio, na forma pura, para aumentar a sua vida útil.

O iodo é um elemento importante para o ser humano e para os animais. É necessário que haja o consumo desse elemento para que não ocorram deficiências graves no organismo. Ele é inserido na forma de iodeto de sódio ao sal de cozinha. A falta dele poderá acarretar numa doença conhecida como bócio, que causa o aumento da tireoide.

O iodo-131 e 123 são isótopos radioativos utilizados no tratamento de doenças da tireoide.

Curiosidades

De acordo com o Ministério da Saúde, o iodeto de sódio é adicionado ao sal de cozinha obrigatoriamente no Brasil, desde 1953, como uma maneira de evitar as deficiências provenientes da falta de iodo no organismo.